Após a tempestade… vem a bonança

A vida, assim como no mundo do esporte, é uma eterna competição, na qual tanto se perde quanto se ganha, aliás, na esmagadora maioria das vezes, mais se perde, porém, só é possível vencer com muita persistência, por isso, como apaixonado que sou pelo esporte, é inevitável não traçar um paralelo entre os desafios dos atletas com os que enfrentamos a cada dia em nossas vidas. Sobre os atletas, pensei: “Esses caras trabalharam duro por anos a fio, abriram mão de várias coisas, superaram a dor física e emocional, o medo, sobretudo, da derrota e da rejeição (aliás, essa, a que mais dói) e a frustração, inclusive pela falta de apoio e de credibilidade. Por tudo isso, cada um já merecia uma medalha, mas não pode ser assim, pois a alegria da vitória e a frustração da derrota são os dois lados de uma mesma moeda e ambas são importantíssimas para desenvolver, não apenas o atleta, mas principalmente, o caráter, o cidadão, o pai (mãe), o filho(a), o esposo(a), o(a) líder, enfim. Mas o que esses atletas fazem de tão extraordinário assim para serem tão especiais?

  • Há um grande respeito pela sua história pessoal, pelos seus limites e potencialidades (deles e dos demais) e sabem exatamente onde querem chegar: Têm foco! Que, uma vez definido, dão a vida para atingi-lo;

– E você, onde você quer estar daqui a 4 anos? O que estará fazendo? Como estará vivendo?

  • Eles treinam duro todos os dias, não importa o que aconteça, sabem que para obter uma marca classificatória, precisam se dedicar, então uma boa dose de disciplina nunca é demais, fazer o que a maioria das pessoas não faz, ir até onde a imensa maioria não chega, suportar a pressão que boa parte da população não suportaria, os torna pessoas diferenciadas;

– O que depende somente de você hoje, para desfrutar da vida que você quer no futuro?

  • Definir um plano de treinamento, um projeto para busca de apoio e de patrocínio e definir ações diárias para serem cumpridas desde a hora que acordam até a hora que vão dormir, passando pela alimentação, fisioterapia, musculação, meditação, oração e tudo o que for necessário para concluir cada atividade diária proposta em seu “plano de voo”;

– O que você precisa fazer para realizar seus sonhos? Qual o seu objetivo? Que ações práticas precisam ser feitas diariamente até chegar lá?

  • Desenvolvem uma extraordinária resistência às frustrações, aprendem o valor da resiliência e da ressignificação. Para ilustrar essa garra, vamos lembrar do que disse o atleta Diego Hypólito da ginástica artística: “…em Seul eu caí de bunda, em Londres eu caí de cara no chão, mas hoje eu caí de pé!” e vibrou com sua medalha de prata nas olimpíadas do Rio, depois de ter superado o trauma de 8 anos, uma severa depressão, a perda de apoio e de patrocínio para continuar treinando e a desconfiança do público;

– Como você lida com a dor, com a tristeza e com as frustrações? Quanto custa pra você não ter aquilo que deseja em sua vida hoje?

  • Talvez a mais importante habilidade que percebi nesses atletas de ponta é que eles têm o adversário como uma referência, mas o único parâmetro são eles mesmos, portanto, não perseguem a marca do outro, eles tentam superar cada vez mais a sua própria marca, por isso, vibram com os seus resultados, não importa que seja o ouro, a prata, o bronze, ou medalha nenhuma, pode ser o último colocado, mas se superou a dor, o cansaço e a vontade de desistir, o resultado merece ser celebrado, como aquela atleta que virou um mito e um símbolo do espírito olímpico e que é fonte de inspiração para muitas pessoas, Gabrielle Andersen, nas olimpíadas de Los Angeles, em 1984;

– Qual o seu propósito? O que lhe inspira? O que lhe motiva? Qual o sentido da sua vida?

  • E, como não poderia deixar de ser, a paixão, o amor pelo que fazem é o que os move, é emocionante ver atletas de ponta como Michael Phelps, que, mesmo depois de ganhar 28 medalhas, sendo 23 de ouro, ainda se emociona com o pódium e com o hino do seu país, além de dar um grande exemplo de humanidade e civilidade para as futuras gerações.

– Como e com quem você estará celebrando a sua vitória? O que estará sentindo?

 

Assim, ninguém jamais atinge um estado de glória sem muito esforço e dedicação, para esses atletas o momento da competição é apenas a celebração de um trabalho bem feito ao longo de anos de preparação, as olimpíadas são uma grande convenção na qual cada qual vai ali apresentar o seu melhor ao público e a si mesmo exorcizando de vez os vários fantasmas que rondam a sua vida, que não é diferente da vida de qualquer pessoa, como: o desprezo, a humilhação, a descrença,  a rejeição, a derrota, as quedas, a dor, as frustrações, as inúmeras lágrimas derramadas enfim, mas apenas quem persiste firme no propósito de realizar um sonho, por mais difícil que possa ser, pode entender o verdadeiro significado que ouvi a vida inteira da minha mãe, quando ela dizia (diz):”- Calma, após a tempestade vem a bonança…”. Pois é Dna. Célia, mas a bonança só vem para os fortes!

 

Se você tiver alguma dúvida ou quiser saber mais sobre esse e outros assuntos e quiser vê-los respondidos por aqui, mande um e-mail para: fale@cibracoaching.com

Sobre o Autor

Nelson Vieira, sou Advanced Coach Senior e Master Coach Trainer, certificado por diversas instituições internacionais ao redor do mundo, tendo formado aproximadamente 5 mil coaches pelo Brasil. Para conhecer mais acesse: www.nelsonvieira.com.br

Deixe um comentário 0 comentários

Deixe um comentário:







Scroll Up